domingo, 26, junho, 2022
InícioEsportesCovid de mãe de Cuca impede anúncio no Atlético Mineiro - Prisma

Covid de mãe de Cuca impede anúncio no Atlético Mineiro – Prisma


São Paulo, Brasil


A direção do Atlético Mineiro decidiu.


Vai confirmar Cuca como seu treinador.


Com contrato de dois anos, com a possibilidade de um terceiro.


O anúncio não foi feito porque o técnico vive outra drama.


Sua mãe, Neide Stival, está internada com Covid, em Curitiba.


Ele segue acompanhando o tratamento, a busca de recuperação.


Enquanto isso, a cúpula atleticana vai enfrentar a pressão popular.


Os protestos e campanhas nas redes sociais contra Cuca.


Foi até criada a campanha #Cucanão, por conta de uma condenação por ato sexual com uma menina de 13 anos na Suíça, em 1987.


Ele foi condenado a uma pena de 15 meses de prisão.


O julgamento foi à revelia, em 1989.


Em vídeo, Cuca negou qualquer participação no estupro coletivo, já que estava acompanhado por Henrique, Fernando e Chico. Todos atuavam no Grêmio à época.


Chegaram a ser detidos. Mas acabaram liberados para aguardar o julgamento. Só que nenhum dos quatro voltou à Suíça. Daí terem sido julgados à revelia.


O ex-dirigente e advogado que conseguiu liberar os jogadores, Luiz Carlos Pereira Silveira Martins, garante que Cuca não teve participação alguma. Confirmou que um jogador manteve relação sexual com a menina, mas não o treinador.


“Ele não cometeu nenhum ato de estupro e não manteve relação com a menina. Sempre manteve uma postura absolutamente correta. Eu não seria capaz de defender uma pessoa tantos anos depois que tivesse cometido um estupro”, disse ao UOL.


Cuca jamais voltou à Suíça e a pena foi prescrita em 2004.


É exatamente este o argumento, a prescrição da pena, que faz com os bilionários Rubens Menin, dono da construtora MRV, e o dono do banco BMG, Ricardo Guimarães, queiram manter a escolha de Cuca.


O executivo Rodrigo Caetano também segue no mesmo caminho: que Cuca é a melhor solução. E que o clube não pode recuar, diante da pressão de alguns torcedores.



Uma das justificas de Caetano para Menin e Guimarães é que Robinho estava condenado na época que acabou saindo do Atlético Mineiro, por um estupro coletivo cometido na Itália. O atacante foi para a Turquia, depois de forte pressão pela condenação do ato que aconteceu em 2013.


Cuca, não.


Ao contrário de Robinho, ele segue repetindo que não fez ‘absolutamente nada’.


O treinador gravou um vídeo, ao lado da esposa e duas filhas, no qual garantiu sua inocência.


“Eu quero treinar ainda grandes equipes, mas não quero nunca ser um cara mal falado. Prefiro ficar na minha casa à sair aí e achar polêmica, problema. Minha vida é baseada nesses conceitos, que são família, fé em Deus e ser uma pessoa honesta e íntegra.”


A postura da direção do Atlético segue firme.


Não abre mão do técnico.


Tanto que, não por acaso, foi vazado uma troca de mensagens entre o presidente do clube, Sérgio Coelho, e o conselheiro e desembargador Alexandre de Carvalho.


O desembargador garante ao dirigente que não obstáculo legal algum para a contratação de Cuca.


“Não há no ordenamento jurídico brasileiro pena de morte. Ou prisão perpétua. Nem pena de censura perpétua.”


O presidente agradece o parecer jurídico de Alexandre de Carvalho.


A negociação está feita.


Vai ser anunciada.


A direção acredita que as pessoas que rejeitam o técnico irão desistir.


Ao ver que ele foi realmente contratado.



A apresentação de Cuca e o início do trabalho,dependem da recuperação de sua mãe.


E, a princípio, ele não quer falar mais da condenação por estupro.


Só que a pressão nas redes sociais continua.


Apesar da situação ter acontecido há 34 anos…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Mais Populares